Cobertura e fatores associados à não realização do exame citopatológico do colo do útero entre mulheres brasileiras de 18 a 39 anos

Alberto Madeiro, Andréa Cronemberger Rufino

Resumo


Objetivo: avaliar a cobertura e os fatores associados à não realização do exame citopatológico do colo do útero entre mulheres de 18 a 39 anos no Brasil. Métodos: estudo transversal, de base populacional, com dados de inquérito domiciliar com 2.002 mulheres alfabetizadas de áreas urbanas, selecionadas por amostragem aleatória por conglomerados em 2016. Foram avaliados a prática do exame nos três anos anteriores e os fatores associados à não realização, com cálculo de razão de prevalência ajustada (RPaj) e intervalos de confiança de 95% (IC95%) por regressão de Poisson. Resultados: a cobertura do exame entre mulheres de 18-39 anos foi de 66,5%, sendo mais elevada naquelas de 35-39 anos (76,8%). Mulheres com renda familiar até 1 salário-mínimo (RPaj=2,08;IC95% 1,72-2,54), que estudaram até a 4a série (RPaj=2,30;IC95% 1,22-2,67), residentes na região Nordeste (RPaj=1,79;IC95% 1,34-2,09) e em municípios com até 20.000 habitantes (RPaj=3,15;IC95% 2,33-3,96) apresentaram maior prevalência de não realização do exame. Conclusão: a cobertura do exame citopatológico esteve abaixo do recomendado, com disparidades socioeconômicas e geográficas. Os dados sugerem necessidade de oportunizar o rastreamento entre mulheres jovens de maior risco para o câncer do colo do útero.


Palavras-chave


Programas de Rastreamento; Teste de Papanicolau; Neoplasias do Colo do Útero; Fatores de Risco; Inquéritos Epidemiológicos

Texto completo:

PDFA


DOI: http://dx.doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v10i1.3521.p1-9.2022

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2022 Journal of Health & Biological Sciences

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.
Fale Conosco
Unichristus 2016. Todos os direitos reservados.