Diagnóstico de helmintos de importância médica no estado de Alagoas durante dois anos de Pandemia de Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v11i1.4691.p1-6.2023

Palavras-chave:

Helmintíases, SARS-CoV-2, Analise Espacial, Saúde Pública, Sistema de Saúde

Resumo

Objetivo: avaliar o impacto da pandemia de COVID-19 no diagnóstico de helmintos no estado de Alagoas, durante dois anos de pandemia. Métodos: os dados foram obtidos por meio do Sistema de Informação do Programa de Controle da Esquistossomose. Em seguida, realizou-se o cálculo de prevalência para cada helminto por município. Posteriormente, foram construídos mapas com as taxas de prevalência bruta. Resultados: 524.534 exames foram realizados pelo Programa de Controle da Esquistossomose em Alagoas, sendo a maioria destes realizados antes de 2020 (319.479) com 46.728 casos positivos para helmintos. Entre os helmintos diagnosticados, o Ancylostoma spp., A. lumbricoides e T. trichiura foram os mais prevalentes, com 31.473, 25.752 e 9.717, respectivamente. As regiões de saúde 2, 3, 4 e 6 são as mais evidentes quanto à presença destes antes e durante a pandemia. Conclusões: foi possível identificar, geograficamente, as áreas mais afetadas pelos helmintos em Alagoas, ademais, como esperado, as ações do PCE foram afetadas pela Pandemia da COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-06-12

Como Citar

1.
da Silva LA, Lima PD, Machado JPV, Lima MW da S, Costa LML, Ramos RES, et al. Diagnóstico de helmintos de importância médica no estado de Alagoas durante dois anos de Pandemia de Covid-19. J Health Biol Sci. [Internet]. 12º de junho de 2023 [citado 20º de junho de 2024];11(1):1-6. Disponível em: https://periodicos.unichristus.edu.br/jhbs/article/view/4691